ARTISTAS POA

voltar

FRONTINO VIEIRA

 


 
 


Fotografia – Sandra Rey

Nascido em 1914, comentava gostar da música ouvida de um gramofone na casa de seus pais. Trabalhou na Oficina de Criatividade de 1990 a 1993, ano em que veio a falecer. Em agosto de 1990 começa a freqüentar a Oficina de Criatividade. Segundo avaliação da artista plástica Lavínia Osório, em seu trabalho é possível perceber uma transformação gradual em toda a trajetória estética e seu processo criativo. Praticamente toda sua pintura tem um movimento definido pelas pinceladas, é bastante gestual. O desenho também, sem exceção, tem muito movimento, pois todo ele é construído por linhas (nenhuma área é fechada pela cor). Estão bem definidos os conceitos de pintura (mancha e cor) e desenho (ponto e linha). Utiliza a cor subjetivamente. Os signos se repetem em todo seu trabalho (os círculos, os quadrados as ramificações) mantém, mais ou menos, uma mesma estruturação espacial (a margem inferior, as formas centralizadas...), em determinado trabalho deixa a marca de seu nome, sua assinatura. Frontino vai se construindo no ato de transformar a imaginação em imagem. Frontino fez do gesto de pintar um ato artístico. Seu trabalho é vigoroso, expressivo, colorido, às vezes até explosivo. São séries de imagens feitas em um mesmo dia ou em dias sucessivos, revelando uma intencionalidade no uso das cores e das formas. Sua criação se torna matéria numa multiplicidade de novas imagens. Sua inscrição no mundo, através do ato de pintar, ato revelador de estranha beleza, de condição singular é humanizador.

trecho de texto cedido pelo Hospital São Pedro